domingo, 17 de abril de 2011

vivissecção e testes em animais... POR QUE? O QUE? E COMO?

Para quem não sabe o que é a maldita vivissecção, nem precisa ler, basta olhar as fotos...








 

1. A vivissecção (experimentação animal) é condenável tanto do ponto de vista ético quanto daquele médico-ciêntifico.

2. A vivissecção destrói o respeito pela vida e transforma os experimentadores e os seus defensores insensíveis ao sofrimento alheio, também aquele humano. Da crueldade com os animais se passa imperceptivelmente mas inevitavelmente à crueldade com os seres humanos.

3. A vivissecção não é o método apropriado para a diagnose, o estudo ou a cura das doenças humanas. As diferenças anatômicas, orgânicas, biológicas, metabólicas, histológicas, genéticas e psíquicas entre homens e animais são tais que resultados obtidos nestes últimos são perigosos se aplicados no homem, quanto mais a um doente (catástrofes farmacológicas, erros terapêuticos, etc.)

4. A vivissecção não é uma vantagem para a humanidade mas unicamente para experimentadores e seus financiadores. A vivissecção tem somente função de álibe, porque até hoje faltam provas estatístico-científicas da sua validade para o progresso da ciência médica para o homem. E como contra, as provas da sua periculosidade são inumeráveis e cientificamente irrefutáveis.

5. As provas em animais criam no público e em primeira linha nos médicos e nos doentes a ilusão de um falso senso de segurança, para quem não se importa em prevenir as doenças e de compreender as causas.

6. A maior parte das doenças de hoje não há origens orgânicas mas sim psíquicas, alimentares, sociais, ambientais, ecológicas ou iatrogênicas (causadas pelas terapias prescritas pelos médicos). Todos estes fatores não são reproduzíveis no seu complexo em um animal. Por isto a medicina oficial é incapaz de efetuar verdadeiras "curas"; não sabe curar nem mesmo o comum resfriado, os reumatismos, as artrites, o câncer, nem nenhuma das outras doenças tradicionais, que invés conseguiu somente multiplicar, adicionando-lhes uma infinidade de sempre novos danos (AIDS, leucemia, esclerose múltipla, ebola, diversos tipos de herpes, SMON, etc.) contentando-se de combater os sintomas, contribui a esconder as causas das doenças e portanto o modo de prevenir e curar.

7. Uma das tantas vítimas da vivissecção é a assistência sanitária. O desperdício de milhões em inúteis pesquisas prejudicam os fundos necessários para uma adequada assistência hospitalar. Os Estados unidos, que gastam com a vivissecção mais de que qualquer outro país no mundo, deveria ser a nação mais saudável de todas, e ao invés disso, é uma das mais doentes e a esperança de vida dos seus habitantes está em 17° lugar nas estatísticas, atrás de numerosos países subdesenvolvidos que ignoram a experimentação animal. Análogo é o caso da Suíça, que exalta o mais alto consumo de animais de laboratório no mundo em relação à população, mas o estado de saúde física e mental da população está entre os mais deploráveis da Europa: o altíssimo consumo de medicinais é a prova objetiva.

8. Resultados válidos para a saúde humana não são em nenhum caso obteníveis através de provas em animais. A saúde humana depende antes de tudo da prevenção e do estilo de vida individual, as curas são obteníveis apenas mediante a adoção, o desenvolvimento e a integração de uma ou mais das várias disciplinas que o poder médico e petroquímico criam obstáculos ou nunca deram importância porque são escarçamente rentáveis. A observação clínica, a dietética, a etiologia, o higienismo, a psicoterapia, a homeopatia, o vegetarianismo, a macrobiótica, a acupuntura, a pranoterapia, a urinoterapia, a epidêmiologia, as várias escolas de alimentação natural (Bircher-Benner e outros), a fitoterapia, a oligoterapia, a aromaterapia, a hidroterapia, a helioterapia, a electroterapia, a diatermia, e outras comprovadamente eficazes e além do mais, econômicas.

9. A medicina não deve ocupar-se tanto de sintomatologia local quanto de toda a pessoa do doente no seu complexo psicofísico, baseando-se para isto na observação para descobrir as causas da doença, ao invés de extrapolar ao ser humano experiências veterinárias que no melhor dos casos substituem sintomas agudos com doenças crônicas.

10. A formação do veterinário deve seguir os mesmos princípios humanitários: não mais interventos arbitrários e violentos (envenenamentos, mutilações, etc). Em animais sadios para demonstrar o quanto já se sabe e infligir-lhes doenças que não possuem, mas sim um estudo acurado e um tratamento resguardante de doenças que surgem espontaneamente ou incidentes
casuais. Portanto a abolição total da experimentação animal por lei é não somente ensejável mas é também obtenível.

Hans Ruesch (fonte: Clube das Mordidas)

TESTES EM ANIMAIS:
Todo e qualquer experimento com animais cuja finalidade é a obtenção de um resultado seja de comportamento, medicamento, cosmético ou ação de substâncias químicas em geral. Geralmente os experimentos são realizados sem anestésicos, podendo ou não envolver o ato da vivissecção.


Não é possível aceitarmos um comitê de ética para experimentação animal, pois consideramos que não existe ética nesse tipo de experimentação. Quando nos referimos aos animais, independentemente da espécie, raça, cor ou sexo, partimos do pressuposto que são vidas, sentem dor, medo e tudo mais que podemos sentir.


Diferentemente do que muitos pensam, os animais não estão aqui para nos servir. É nosso dever respeitá-los e protegê-los como seres vivos.


Nem mesmo a utilização de animais na área médico-científica é justificável, uma vez que já se sabe que a utilização de animais em pesquisas é um retrocesso, um atraso na evolução científica, além de ser um grande desperdício de dinheiro público.


“De acordo com o Dr. Albert Sabin, pesquisas em animais prejudicaram o desenvolvimento da vacina contra o pólio. A primeira vacina contra pólio e contra raiva funcionou bem em animais, mas matou as pessoas que receberam a aplicação. Albert Sabin reconhece que o fato de haver realizado pesquisas em macacos Rhesus atrasou em mais de 10 anos a descoberta da vacina para a pólio.”


“As perigosas drogas Talidomida e DES foram lançadas no mercado depois de serem testadas em animais. Dezenas de milhares de pessoas sofreram com o resultado”


Já existem inúmeras métodos substitutivos eficientes e eficazes que podem e já estão sendo usados nessa área. Isso sem falar dos modernos processos de análise genômica e sistemas biológicos in vitro, que vêm sendo muito bem utilizado por pesquisadores brasileiros. Sem falar que culturas de tecidos, provenientes de biópsia, cordões umbilicais ou placentas descartadas, dispensam o uso de animais. Vacinas também podem ser fabricadas a partir da cultura de células do próprio homem.


A vivissecção envolve basicamente interesses financeiros e políticos, e nem tanto científicos como se pensava.





Quando um medicamento chega ao mercado, são os consumidores as primeiras cobaias de fato, independentemente da quantidade de testes conduzida previamente em animais. Somente os humanos podem exibir efeitos desejáveis ou colaterais na espécie para qualquer substância testada. A indústria vivisseccionista não apenas coloca em risco nossas vidas como impede que outras vidas sejam salvas.

Para maiores informações acesse o site do PEA
www.pea.org.br

5 comentários:

  1. nossa que pratica horrivel, nunca tinha visto falar, é essa frase de Leonardo da Vince, é a mais pura verdade referindo a esse assunto.

    Estarei postando no facebook esse assunto

    ResponderExcluir
  2. Não tem como não chorar e se revoltar ao ver e saber dessas coisas...


    Pitágoras, o filósofo de Samos, matemático e astrônomo, ensinava o respeito pela vida e proteção dos animais Disse ele: "Enquanto o homem continuar a ser o destruidor impiedoso dos seres animados dos planos inferiores, não conhecerá nem a saúde nem a paz. Enquanto os homens dizimarem os animais, matar-se ao entre si. Quem semeia a morte e a dor não pode com efeito, recolher a alegria e o amor".

    ResponderExcluir
  3. Se os EUA e Suecia estao tao mal, qual nao será a posiçao no rank da saúde de paises como o Brasil e tantos outros da america latina?
    Todos esses argumenttos nao passam de bobagem, porque nao dizem para os dependentes de insulina que parem de tomar seus medicamentos pois a insulina sintetica foi testada em animais antes de chegarem a humanos?

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. quem faaz isso nao pode i pro céu.. pra que faze isso? faaze os bichinho sofre por causa da ciencia? eles sentem dor, tem sentimentos, imagine alguem colocar o negócio na sua cabeça, ou corta tudo a tua pele e deixar exposta, por causa da ciencia? fazem isso pq os bichinho nao tem voz pra se defender.. por isso que temos fazer alguma coisa pra acabar cm isso.

    ResponderExcluir